Polícia Federal apreende Dinheiro e Carros de Luxo na Operação Lava Jato

IMG- CPB LVJ1A Polícia Federal responsável pela Operação Lava Jato, realizou na terça-feira (14), a Operação batizada de Politéia, na qual, os Policiais Federais cumpriram 53 mandados de busca e apreensão. O objetivo da Operação Politéia é a busca e apreensão de possíveis provas contra alguns investigados.

As buscas e apreensões foram em propriedades dos senadores: Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), Fernando Collor (PTB – AL) e Ciro Nogueira (PP-PI), do Deputado Federal líder do PP na Câmara Eduardo da Fonte (PP-PE), do ex-deputado federal João Pizzolatti (PP-SC), bem como, do ex-ministro das Cidades, Mário Negromonte (PP-BA) e outros supostos envolvidos.

A ação da PF está sendo considerada pelo Senador e ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL) como uma pré-condenação. Em discurso o Senador afirmou  que se quer foi ouvido no inquérito, e classificou a operação da Polícia Federal, em seu apartamento em Brasília como “invasiva e arbitrária”.

Outro alvo da operação que teve seu escritório vistoriado pelos políciais foi o advogado Tiago Cedraz, filho do Presidente do Tribunal de Contas da União Haroldo Cedraz.CARROS

As ações que visam apurar suposto envolvimento de políticos e empresários no esquema de desvios da Petrobras estão sendo realizadas em Brasília e em seis Estados: Alagoas, Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo.

Na casa da Dinda de propriedade do ex-presidente e senador Fernando Collor de Mello, em Brasília, foi apreendido, três veículos de Luxo uma Lamborghini, de R$ 2,5 milhões, uma Ferrari, que custa R$ 1 milhão e um Porsche, avaliado em R$ 400 mil.

O Senador Collor de Mello teve, ainda, seu Apartamento Funcional vistoriado pela PF em Brasília, além do apartamento foi também vistoriada a sede da organização Arnon de Melo, dona da TV Gazeta, afiliada do Globo no estado de Maceió , na qual, Collor é o principal acionista da empresa.

cpb notSobre as vistorias feitas no Apartamento Funcional de Collor, o Presidente do Senado Renan Calheiros, disse que a ação deveria ter sido feita pela Policia Legislativa, o que não ocorreu. Em nota, a Procuradoria Geral da República se defende dizendo que agiu dentro da legalidade.

A Polícia Federal, ainda em Brasília vistoriou a residência do deputado federal Eduardo da Fonte, do PP de Pernambuco e a casa do senador Ciro Nogueira do Piauí que é presidente do PP.

No Rio de Janeiro, as buscas foram em um dos prédios da Petrobras e nas casas de dois ex-diretores da BR Distribuidora, Luiz Cláudio Caseira Sanches e José Zonis.

Em Recife, foram cumpridos mandados na refinaria Abreu e Lima, e na casa do Senador Fernando Bezerra Coelho do PSB de Pernambuco.

Já em Salvador, o alvo da operação foi o gabinete de Mario Negromonte, ex-ministro das Cidades e atual Conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia.

Em Santa Catarina a PF realizou busca e apreensão na casa do ex-deputado João Pizzolati, do PP, e na casa da ex-mulher dele. Na ação Foram apreendidos documentos, arquivos digitalizados e computadores.

No Estado de Pernambuco, oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos em endereços ligados a dois políticos pernambucanos, entre eles, o do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) e o do líder do PP na Câmara  Eduardo da Fonte.pr22

As ações de busca e apreensão ocorreram nas residências dos investigados, em seus endereços funcionais, escritórios de advocacia, órgãos públicos e sedes de empresas, como a sede do canal de TV controlado por Collor no estado de Alagoas.

Entre os bens e documentos apreendidos na operação constam: Documentos impressos, arquivos digitalizados e computadores, além de veículos e muito dinheiro. Só em uma empresa a Polícia Federal apreendeu mais de R$ 3, 600 milhões. Todas as apreensões estão em poder da Polícia Federal.

Fontes: CPB – Agencias de Noticias. G1 e CPB.


CPB INFORMA:

O conteúdo desta notícia é de inteira e exclusiva responsabilidade de seu autor, não refletindo opinião oficial do site/portal www.correiopopulardebrasilia.com.br ou dos demais editores do Jornal.

Gostou? Compartilhe:

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *